Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Mercados e tendências

Estados Unidos: a trajetória ascendente dos cosméticos de ação suave

Os consumidores americanos têm mostrado crescente interesse por cosméticos formulados para peles sensíveis. Segundo a Mintel, atualmente um quarto dos lançamentos nos Estados Unidos corresponde a produtos com indicação "para pele sensível".

As fórmulas ultrassuaves em cosméticos para a pele têm chamado cada vez mais a atenção do consumidor americano. A tendência lógica é que todos os produtos dessa categoria sejam apresentados como "suaves" ou "adaptados a peles sensíveis". De acordo com o banco de dados Global New Products (GNPD) da Mintel, os rótulos do tipo "para pele sensível" representam 25% dos produtos cosméticos como um todo em 2014 [1], em comparação com 15% em 2009. Outra informação importante é que 71% das pessoas que usam cosméticos para o rosto demonstram interesse por produtos de ação suave.

A evolução das vendas também reflete essa tendência. Segundo estimativa da Mintel, o faturamento relativo a produtos cosméticos suaves ou para peles sensíveis é superior a 202 milhões de dólares; a maior parte desse valor corresponde à venda de produtos para limpeza do rosto e cremes hidratantes faciais. Os produtos suaves e para peles sensíveis também estão ganhando cada vez mais terreno nos segmentos de limpadores faciais e hidratantes.

Abordagem minimalista

"Antes, os produtos cosméticos geralmente davam destaque aos ingredientes que faziam parte das fórmulas, como vitaminas e plantas, mas as coisas mudaram: agora, ao contrário, eles ressaltam os ingredientes que não fazem parte das fórmulas, como perfumes, corantes, etc.", explica Shannon Romanowski, Senior Beauty and Personal Care Analyst da Mintel. "Essa atração por produtos mais suaves reflete a busca pelo desempenho, bem como a crescente preocupação e sensibilidade em relação aos produtos que usamos na pele".

Os consumidores parecem cada vez mais interessados em uma abordagem minimalista. Quase um quarto (24%) das pessoas que usam cosméticos faciais afirmam buscar produtos com ingredientes naturais e orgânicos; 22% declaram buscar produtos que não contenham certos ingredientes, como parabenos ou perfumes; e 21% se interessam por produtos especificamente formulados para peles sensíveis.

"Embora a expectativa seja de que o mercado tenha um crescimento medíocre, existem oportunidades para produtos personalizados e práticos. Os produtos com alto valor agregado, voltados para a saúde e o bem-estar, que ampliem as ocasiões de utilização ou ofereçam uma solução prática para o público masculino e consumidores de diversas culturas, têm mais chance de sucesso", completa Shannon Romanowski. "Além disso, o crescente consumo de produtos mais suaves representa uma oportunidade maior de sedução do público feminino e da população negra."

mais recentes
Foco
in-cosmetics retorna ao Brasil nos próximos 18 e 19 de setembro

in-cosmetics retorna ao Brasil nos próximos 18 e 19 de setembro

Quando se trata de beleza, o Brasil se tornou um criador de tendências na América Latina, graças à abundância dos recursos naturais e à propensão à inovação. Agora o quarto maior mercado do mundo, o país sediará a sexta edição da in-cosmetics Latin America, que acontecera em São Paulo os 18 e 19 de setembro de 2019. De acordo com a Euromonitor (...)

+ informações
Palavra de especialista
American Insights: As novas milionárias da beleza

Laurence Bacilieri
American Insights: As novas milionárias da beleza

Dizer que o mercado americano de beleza e cuidados pessoais está superaquecido - ou melhor, saturado - não é novidade nenhuma. Porém, um seleto grupo de pessoas tem conseguido remar contra a maré. Veja a seguir como algumas das mulheres mais ricas dos Estados Unidos conquistaram um sucesso fulgurante no setor de cosméticos. Serena (...)

+ informações

Seções