Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Mercados e tendências

Brasileiros compram cosméticos em supermercados mas consideram que não ofereçam produtos de alta qualidade

O supermercado é o canal varejista onde os brasileiros mais compram cosméticos. As farmácias surgem como o segundo canal preferido, por quase seis em dez consumidores, 58%, e em terceiro lugar estão as vendas porta a porta e por catálogo, correspondendo a 37%. Frete caro e dificuldade em retornar produtos são as principais barreiras para comprar online.

“Há oportunidades para que os supermercados ganhem ainda mais participação no (...)

“Há oportunidades para que os supermercados ganhem ainda mais participação no setor. Eles poderiam investir em opções mais premium, e/ou criar espaços de beleza com produtos de nicho, como veganos e naturais/orgânicos”, afirma Juliana Martins, especialista sênior em Beleza e Cuidados Pessoais, da Mintel.

Sete em dez consumidores, 72%, compraram produtos de beleza e cuidados pessoais em supermercados nos últimos 12 meses anteriores à pesquisa (setembro de 2018), revelou a Mintel em uma nova pesquisa. Dentre as motivações de compra citadas para esse canal, preços razoáveis foi a mais sinalizada, por 62% dos consumidores. Porém, apenas um em cinco brasileiros, 21%, afirmou utilizar esse canal por ele oferecer produtos de alta qualidade.

Sendo o principal canal de venda para produtos de beleza e cuidados pessoais, há oportunidades para que os supermercados ganhem ainda mais participação no setor. Eles poderiam investir em opções mais premium, e/ou criar espaços de beleza com produtos de nicho, como veganos e naturais/orgânicos. Dessa forma, eles também se posicionam como vendedores de itens inovadores e sofisticados”, afirma Juliana Martins, especialista sênior em Beleza e Cuidados Pessoais, da Mintel.

Entre os cosméticos mais comprados pelos brasileiros estão os desodorantes. A pesquisa Mintel revela que 83% dos consumidores compraram estes produtos nos últimos 12 meses, sendo que 76% em supermercados. Entretanto, apenas um em quatro brasileiros, 25%, afirmou comprá-los via internet. “Em relação à compra online, alguns brasileiros veem barreiras para comprar nesse canal, como frete caro e dificuldade em trocar/retornar produtos caso seja necessário”, continua Juliana Martins.

Consultar especialistas e experimentar

A pesquisa Mintel também detectou a relevância da presença de especialistas no varejo. Para alguns brasileiros que compram produtos de beleza e cuidados pessoais em lojas de marca própria e em lojas especializadas que vendem produtos de várias marcas, a possibilidade de consultar alguém com conhecimento sobre os produtos é importante. De fato, 29% e 23% respectivamente disseram que compraram nesses locais por terem a oportunidade de consultar um especialista sobre os produtos.

Em relação às compras de produtos de beleza e cuidados pessoais pelos homens, a pesquisa Mintel mostra que metade deles, 54%, compra no varejo porta a porta pela possibilidade de ter contato direto com o vendedor. Além disso, a experimentação dos produtos antes da compra também parece ser importante para esse público. Por exemplo, dois em cinco brasileiros, 40%, disseram que a entrega de amostras de produtos foi um dos motivos para eles terem comprado produtos de beleza ou cuidados pessoais no varejo porta a porta, em comparação a 25% das mulheres.

V.G.

© 2018 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Luxe Pack prepara sua segunda edição em Los Angeles e anuncia nova locação em Nova York

Luxe Pack prepara sua segunda edição em Los Angeles e anuncia nova locação em Nova York

Luxe Pack, a feira B2B dedicado a embalagens de luxo, retornará na Costa Oeste para uma segunda edição na Los Angeles em 27 e 28 de fevereiro de 2019. Como no ano passado, o evento será realizado em conjunto com a MakeUp em Los Angeles, a feira B2B de acessórios, tendências e formulação de produtos de maquiagem e cuidados com a pele. O (...)

+ informações
Palavra de especialista
Green, Clean... e o que mais?

Pascale Brousse
Green, Clean... e o que mais?

A força da nova tendência é visível. Para ser desejável, um produto deve ser green, clean e cool, de preferência seguindo os modelos de marcas Indie e DNVB [1]. Green - porque ser natural tornou-se um princípio de base para qualquer produto. Clean - porque a ausência de substâncias poluentes ou duvidosas é outro pré-requisito importante. Cool (...)

+ informações

Seções