Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Empresas e indústria

Pioneira em cosméticos hipoalergênicos no Brasil, a Alergoshop cresce com o aumento de casos de alergias

Segundo a Organização Mundial da Saúde, metade da população mundial terá algum tipo de relação alérgica em 2050.

Não se sabe ao certo o motivo que tem levado os diagnósticos de alergias a crescerem em todo o mundo. Segundo o Dr. Octavio Grecco, que atua no Departamento Científico de Dermatite Atópica da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), uma das hipóteses é a chamada ‘teoria da higiene’. “Atualmente, as pessoas ficam mais tempo dentro de casa e trabalham em espaços fechados, afastando-se de locais onde existe mais chance de adquirir infecções. Com o número menor de infecções, poderia ocorrer um desequilíbrio no sistema imunológico, facilitando a formação de alergias”, afirma ele. A diminuição do aleitamento materno também pode ter um papel fundamental nessa equação.

Sara Lazaretti, fundadora e socia da Alergoshop

Sara Lazaretti, fundadora e socia da Alergoshop

Dados da OMS indicam que cerca de 30% da população mundial possui algum tipo de alergia – número que deve chegar a 50% em 2050. A ASBAI afirma que reações alérgicas a cosméticos estão entre as mais comuns. “A pele é o órgão mais propenso a alergias, tanto pela sua extensão e estrutura quanto pelo seu sistema imunológico específico”, diz o Dr. Grecco.

Para atender não apenas às necessidades dessa parcela da população, mas especialmente da própria filha, que sofria com alergias e não dispunha de produtos adequados no Brasil, a enfermeira Sarah Lazaretti fundou, em 1993, a Alergoshop, primeira empresa especializada em hipoalergênicos no país. “Entramos em um nicho de mercado até então inexplorado e a aceitação por parte do público foi ótima. Os alérgicos e seus familiares se sentiram acolhidos”, conta Lazaretti.

No início, a Alergoshop trabalhava apenas com artigos importados, como cosméticos e capas para colchão e travesseiro antiácaros. Um ano após sua inauguração, a empresa começou a desenvolver sua primeira linha própria, a Uso Diário, com cosméticos hipoalergênicos, livres de parabenos, corantes e fragrâncias. “A importação, principalmente de cosméticos, é bastante complicada. São muitas exigências e impostos altíssimos. Além disso, a burocracia é muito grande. Tudo isso dificultava a manutenção dos estoques e o custo dos produtos”, afirma Julinha Lazaretti, irmã e sócia de Sarah.

Atualmente, a empresa conta com mais de 50 itens de fabricação própria em 10 linhas diferentes – que vão de maquiagens e preservativos até produtos para a limpeza da casa e purificadores de ar –, respondendo por 70% do faturamento da marca.

Atuando com lojas próprias e distribuição no varejo, a Alergoshop resolveu apostar no ramo de franquias em 2012. “Logo que abrimos, recebemos muitos pedidos de franquias, mas não tínhamos a estrutura necessária. Percebemos que as lojas que levavam nosso nome vendiam mais do que as que trabalhavam com revendas multimarca, como drogarias e lojas de produtos naturais”, revela Julinha. “Vimos a necessidade de formatar o sistema de franquias e criamos uma rede que favorece a divulgação da marca e o ganho em escala na produção”.

Até o momento, foram abertas 12 franquias da Alergoshop no país. O modelo de negócio representa 6% de sua receita atual, seguido pelo e-commerce (9%), as quatro lojas próprias (25%) e o varejo na ponta (60%). A rede obteve um crescimento de 25% em 2015 e 15% no primeiro semestre de 2016.

Um projeto de lei proposto pelo Senado à Comissão de Meio Ambiente no ano passado obriga fabricantes de cosméticos, medicamentos e correlatos a alertarem nos rótulos e bulas desses produtos sobre a presença de substâncias com o potencial de desencadear reações alérgicas. Ainda em tramitação, a emenda à lei de 1976, pode trazer mais segurança aos alérgicos.

É necessário haver a discriminação exata dos componentes de cada cosmético em seu rótulo para proteger a saúde da pessoa alérgica”, diz o Dr. Grecco. “Poder evitar o consumo de substâncias causadoras de alergias é, sem dúvida, um direito do consumidor”, completa Julinha Lazaretti.

Renata Martins

Portfólio

© 2017 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
MakeUp in New York se desloca ao Javits Center para continuar seu crescimento

MakeUp in New York se desloca ao Javits Center para continuar seu crescimento

A última edição da feira MakeUp no NewYork, o evento B2B dedicado à cadeia de valor da indústria de maquiagem, foi um grande sucesso, segundo os organizadores. O evento, realizado nos dias 11 e 12 de setembro de 2019 no Center415 na 5th Avenue, Manhattan, recebeu mais de 3.800 visitantes, com crescimento de 12% do número de visitantes (...)

+ informações
Palavra de especialista
Índia desponta como novo gigante do mercado de beleza

Asia Cosme Lab
Índia desponta como novo gigante do mercado de beleza

Graças ao crescimento de sua população jovem (atualmente a maior do mundo), ao aumento de sua classe média e à expansão do uso da internet tanto nas cidades como nas zonas rurais, a Índia está a um passo de se tornar o próximo gigante do mercado de beleza, seguindo o exemplo da China. A agência Asia Cosme Lab mergulhou no fascinante mercado (...)

+ informações

Seções