Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Mercados e tendências

Gigantes do setor querem pegar o bonde dos cosméticos naturais

Ao mesmo tempo em que o setor de cosméticos e produtos de higiene vem perdendo fôlego na França e em muitos mercados maduros, o segmento de produtos naturais e orgânicos se mostra bem mais dinâmico. E os gigantes do setor estão fazendo tudo para pegar este bonde.

Manifestamente, o mercado de cosméticos e produtos de higiene padece de uma falta de sintonia entre a oferta e as expectativas dos consumidores em matéria de produtos naturais e orgânicos. Isso não explica tudo, mas certamente contribui - e muito - para reforçar a tendência.

A marca Seed Phytonutrients da L'Oréal USA

A marca Seed Phytonutrients da L’Oréal USA

"Os consumidores estão buscando produtos naturais e orgânicos porque não desejam mais se expor às substâncias químicas polêmicas presentes nos cosméticos e produtos de higiene. O que eles querem, principalmente, é evitar parabenos, SLS / SLES e produtos químicos que representem um risco para a saúde", explica a Ecovia Intelligence, empresa de pesquisa e consultoria especializada em produtos naturais e sustentáveis.

Por isso, os gigantes do setor de beleza estão fazendo tudo para pegar o bonde da sustentabilidade, lançando linhas de produtos mais ecológicos.

Com a gama Seed Phytonutrients, lançada nos Estados Unidos em 22 de abril de 2018 por ocasião do Dia da Terra, a L’Oréal busca "plantar as sementes da saúde, do bem-estar e da sustentabilidade para as futuras gerações", graças a um equilíbrio harmonioso entre beleza, meio ambiente e agricultura.

Na Europa, a multinacional incorporou, em agosto de 2018, a empresa alemã Logocos Naturkosmetik e acaba de lançar uma nova marca de cosméticos orgânicos que recebeu o nome de La Provençale. O Grupo anunciou também o lançamento, no início de 2019, de uma linha de produtos orgânicos para a marca Garnier.

A nova marca Nature Box da Henkel

A nova marca Nature Box da Henkel

Com o mesmo propósito de capitalizar sobre a demanda dos consumidores por produtos de beleza "limpos", a Unilever lançou a marca Love, Beauty and Planet, enquanto a Henkel, conhecida por linhas de produtos como Schwarzkopf e Dial, decidiu apostar na tendência vegana, com o lançamento de uma nova marca: Nature Box.

As expectativas são de que as multinacionais lancem ainda mais produtos naturais. Mas isso não significa que o sucesso seja garantido.

"Antes de escolher o caminho do lançamento de produtos naturais, as multinacionais priorizavam a aquisição de empresas. O problema é que algumas dessas operações não produziram os resultados esperados. Em 2007, a L’Oréal comprou a The Body Shop e a marca de cosméticos orgânicos Sanoflore. A primeira foi revendida à Natura Brasil no ano passado, enquanto a Sanoflore ainda hoje ocupa uma posição marginal no Grupo. Os críticos afirmam que as marcas Logona e Sante, adquiridas recentemente pela L’Oréal, terão a mesma sina. Desde que a matriz da Logocos foi incorporada pela L’Oréal em agosto, alguns distribuidores do circuito alemão de produtos orgânicos estão pensando em retirar a marca de seus catálogos", ressalta a Ecovia Intelligence.

Para a empresa de estudos de mercado, conseguir que os consumidores aceitem uma nova marca de produtos naturais é um dos principais desafios para as multinacionais. Uma pesquisa realizada recentemente revela que, em geral, os consumidores associam as pequenas marcas independentes a valores ecológicos. "Esses consumidores rejeitam os produtos naturais das grandes empresas", afirma a Ecovia. O melhor caminho talvez seja, então, o da integração diferenciada: adquirir marcas naturais ou orgânicas, mas deixar que mantenham sua independência e seus valores fundamentais.

No entanto, diante da expansão do consumerismo ético e do crescente espaço que os produtos naturais e orgânicos têm conquistado, as multinacionais não podem virar as costas a essa tendência. Segundo a Ecovia Intelligence, entre 2002 e 2017 as vendas mundiais de cosméticos naturais e orgânicos passaram de quase nada a 10,2 bilhões de dólares (preço no varejo).

"Os grandes grupos, como a L’Oréal e a Unilever, continuarão apostando no desenvolvimento de produtos ecológicos e na aquisição direta de empresas. Os vencedores dessa corrida serão aqueles que conseguirem realmente alinhar os valores das marcas e os anseios dos consumidores. Provavelmente, alguns acabarão obtendo resultados abaixo do esperado e descobrirão que o caminho dos cosméticos naturais é repleto de obstáculos", conclui a Ecovia Intelligence.

Vincent Gallon
(Tradução: Maria Marques)


© 2018 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
MakeUp in New York se desloca ao Javits Center para continuar seu crescimento

MakeUp in New York se desloca ao Javits Center para continuar seu crescimento

A última edição da feira MakeUp no NewYork, o evento B2B dedicado à cadeia de valor da indústria de maquiagem, foi um grande sucesso, segundo os organizadores. O evento, realizado nos dias 11 e 12 de setembro de 2019 no Center415 na 5th Avenue, Manhattan, recebeu mais de 3.800 visitantes, com crescimento de 12% do número de visitantes (...)

+ informações
Palavra de especialista
Índia desponta como novo gigante do mercado de beleza

Asia Cosme Lab
Índia desponta como novo gigante do mercado de beleza

Graças ao crescimento de sua população jovem (atualmente a maior do mundo), ao aumento de sua classe média e à expansão do uso da internet tanto nas cidades como nas zonas rurais, a Índia está a um passo de se tornar o próximo gigante do mercado de beleza, seguindo o exemplo da China. A agência Asia Cosme Lab mergulhou no fascinante mercado (...)

+ informações

Seções