Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Mercados e tendências

Novo coronavírus abala indústria mundial do varejo de viagem

Diante do número crescente de mortes registradas desde o início da epidemia provocada pelo coronavírus que surgiu em Wuhan, capital da província chinesa de Hubei, várias marcas de moda e beleza se comprometeram a contribuir com somas consideráveis para apoiar a luta contra a epidemia. A situação lembra muito a crise do SRAS, que paralisou as viagens regionais e prejudicou a economia local em 2002-2003. A diferença é que, hoje, a importância da região para a economia mundial é maior do que nunca.

O impacto da atual crise sanitária em diversos setores econômicos - em particular de turismo, produtos de luxo, moda e cosméticos do segmento "prestígio" - será provavelmente mais grave que o da epidemia de SRAS de 2002-2003 e da gripe suína de 2009. A razão é simples: o número de chineses que viajam e consomem produtos dessas categorias é bem maior hoje.

Nesse cenário, é perfeitamente lógico que as marcas de moda e beleza premium queiram demonstrar seu apoio a esse importante mercado na Ásia. Muitas já se comprometeram a doar milhões de dólares a fim de contribuir para a luta contra o novo coronavírus. O Grupo Kering, proprietário de marcas como Gucci, Saint Laurent, Balenciaga, Alexander McQueen e Ulysse Nardin, anunciou na terça-feira que doaria 7,5 milhões de yuans (1,08 milhão de dólares) à Cruz Vermelha de Hubei. Na segunda-feira, o Grupo LVMH, proprietário das marcas Louis Vuitton, Fendi, Celine e Christian Dior, prometeu 16 milhões de yuans (2,3 milhões de dólares) à Fundação Cruz Vermelha da China. A L’Oréal, por sua vez, declarou que o Grupo doará 5 milhões de yuans, enquanto a empresa americana Estée Lauder prometeu 2 milhões de yuans. Fechando a fila, a Swarovski, fabricante austríaco de vidros, contribuirá com 3 milhões de yuans.

Crise contamina outros mercados

A indústria de viagens será a primeira a sofrer as consequências. A China continental, com sua população de 1,3 bilhão de habitantes, é a principal fonte de turistas no mundo, respondendo, em 2019, por 159 milhões de viagens para outros países, segundo a agência GlobalData.

A maioria dos turistas chineses costuma viajar para outros países dentro do próprio continente asiático, em particular Hong Kong, Macau, Taiwan, Tailândia, Coreia do Sul, Vietnã e Japão. Quando se aventuram em terras mais distantes, geralmente vão à Europa, aos Estados Unidos ou à Austrália. A França é o principal destino na Europa (2,2 milhões de visitantes chineses em 2018), seguida por Alemanha, Itália e Reino Unido.

O impacto da epidemia no número de passageiros de companhias aéreas afetará também as lojas dos aeroportos. "Para conquistar os passageiros chineses e potencializar as oportunidades de venda, nos últimos anos as lojas situadas em aeroportos, principalmente na Europa, adaptaram sua oferta, adotaram soluções de pagamento usadas pelos chineses e investiram na contratação de funcionários que falam mandarim", ressalta Honor Strachan, analista-chefe da GlobalData.

Em 2003, a epidemia de SARS derrubou o turismo na China e diminuiu consideravelmente o número de turistas na Tailândia, na Malásia, em Singapura e em Hong Kong, obrigando as companhias aéreas a imobilizar sua frota e a reduzir o número de voos. O coronavírus já afetou as vendas em torno das celebrações do ano-novo chinês, visto que os consumidores foram aconselhados - quando não forçados - a ficar em casa e a evitar viagens.

Em resposta à crise, certas operadoras estão contemplando a possibilidade de fechar suas lojas. O China Duty Free Group, por exemplo, decidiu suspender as atividades do shopping de Haitang Bay. O impacto dessa decisão será inevitável para o mercado de duty free da região Ásia-Pacífico em 2020.

"Em tempos normais, o primeiro lugar do ranking de vendas nos aeroportos em 2020 certamente ficaria com a região Ásia-Pacífico. A previsão era que as vendas movimentassem cerca de 21,7 bilhões de dólares, o que representa 45,1% das vendas mundiais e um crescimento de 8,4%. Se o coronavírus continuar se espalhando em escala mundial em 2020, seu impacto sobre o turismo e a economia, em particular na região Ásia-Pacífico, será devastador", completa Honor Strachan.

Os efeitos da crise serão sentidos muito além das fronteiras dos aeroportos, hotéis, restaurantes e pontos turísticos. Como os turistas, em particular os chineses, são consumidores vorazes, é provável que a onda de choque afete a maioria das marcas de luxo. A crise, que já derrubou o índice Nikkei no Japão, provocou uma desvalorização de mais de 5% nas ações da Shiseido na segunda-feira (03 Fev. 2020).

Vincent Gallon, em colaboração com a AFP/Relaxnews
(Tradução: Maria Marques)

Portfólio

© 2020 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
MakeUp in New York se desloca ao Javits Center para continuar seu crescimento

MakeUp in New York se desloca ao Javits Center para continuar seu crescimento

A última edição da feira MakeUp no NewYork, o evento B2B dedicado à cadeia de valor da indústria de maquiagem, foi um grande sucesso, segundo os organizadores. O evento, realizado nos dias 11 e 12 de setembro de 2019 no Center415 na 5th Avenue, Manhattan, recebeu mais de 3.800 visitantes, com crescimento de 12% do número de visitantes (...)

+ informações
Palavra de especialista
Índia desponta como novo gigante do mercado de beleza

Asia Cosme Lab
Índia desponta como novo gigante do mercado de beleza

Graças ao crescimento de sua população jovem (atualmente a maior do mundo), ao aumento de sua classe média e à expansão do uso da internet tanto nas cidades como nas zonas rurais, a Índia está a um passo de se tornar o próximo gigante do mercado de beleza, seguindo o exemplo da China. A agência Asia Cosme Lab mergulhou no fascinante mercado (...)

+ informações

Seções