A Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), apresentou um estudo da consultoria LCA, que calcula os principais impactos sobre o setor e o consumidor da equiparação do atacadista ao industrial na cobrança do IPI.

A ampliação da cobrança do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de HPPC [1] elevará os preços até 12% acima da inflação. Os estudos preveem ainda que a alteração no modelo de cobrança do IPI possa eliminar até 200 mil oportunidades de trabalho e fazer as vendas caírem 17% em 2015. Caso esses estudos se confirmem, os efeitos em cascata paralisarão os investimentos que o setor tem em diversas áreas”, afirmou João Carlos Basilio, presidente da ABIHPEC.

João Carlos Basilio, presidente da ABIHPEC

João Carlos Basilio, presidente da ABIHPEC

A indústria gera atualmente mais de 4,8 milhões de oportunidades de trabalho, sendo que 80% das vagas são preenchidas pelo gênero feminino. “Retração e piora da composição das vendas certamente levará a demissões e a uma redução no número de postos de trabalho na cadeia de produção e comercialização, com impacto relevante sobre o número de ocupações e sobre a renda dos trabalhadores”, finaliza João Carlos Basilio, presidente da ABIHPEC.

De acordo com o decreto presidencial 8.393, publicado no “Diário Oficial da União”, haverá aumento da tributação sobre perfumes; maquiagens para boca, unhas, olhos e rosto; produtos de cuidados da pele, preparações para barbear (antes, durante ou após), fixadores/modeladores, permanente/alisante, entre outros.