A gigante global de cosméticos fez parceria com a LanzaTech, uma empresa de reciclagem biológico de carbono e com o produtor francês de petróleo e de soluções químicas Total para produzir a primeira embalagem plástica do mundo feita a partir de emissões industriais de carbono.

Transformar a poluição em embalagens

Na prática, para que seja possível transformar as emissões de carbono em plástico e substituir a embalagem comum por uma versão mais sustentável, o processo é feito em três etapas:

- Primeiro, a empresa LanzaTech captura as emissões de carbono industrial e as converte em etanol usando um processo biológico exclusivo;
- Depois, a Total converte o etanol em etileno graças a um processo inovador de desidratação desenvolvido em conjunto com a IFP Axens. Em seguida, a companhia polimeriza o etileno em polietileno, um plástico que possui as mesmas características técnicas daquele feito a partir do petróleo;
- Por fim, a L’Oréal usa este polietileno para produzir embalagens com a mesma qualidade e propriedades do polietileno convencional.

Alternativa ao “plástico verde”

A reciclagem e transformação das emissões de carbono em plástico para embalagens dos cosméticos é uma alternativa interessante ao “plástico verde” derivado de recursos agrícolas. Ao contrário do etanol de cana-de-açúcar, essa solução não consome terras agrícolas e reduz as emissões atmosféricas que contribuem para o efeito estufa. O processo funciona com diferentes níveis de hidrogênio e na presença de diferentes tipos de impurezas nos gases recuperados.

A L'Oréal quer usar este material sustentável em frascos de shampoo e...

A L’Oréal quer usar este material sustentável em frascos de shampoo e condicionador até 2024.

Assim como o processo de transformação sucroalcooleira da Braskem, essa tecnologia possibilita a obtenção de um polietileno que possui as mesmas características técnicas daquele feito a partir do petróleo.

Fase de industrialização

Com esse processo pioneiro, os três parceiros provaram que é possível abrir o caminho para novas oportunidades de captura e reutilização de emissões industriais de carbono. Agora, L’Oréal, LanzaTech e Total pretendem continuar trabalhando juntos no escalonamento da produção destes plásticos sustentáveis.

Temos a ambição de usar este material sustentável em nosso frasco de shampoo e condicionador até 2024 e esperamos que outras empresas se juntem a nós no uso dessa inovação revolucionária”, disse Jacques Playe L’Oréal, Diretor de Embalagem e Desenvolvimento da L’Oréal.