Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Ciência e P&D

Desvendado o mistério do incenso

O incenso é um dos perfumes mais antigos do mundo. A equipe de Nicolas Baldovini, do Instituto de Química de Nice (CNRS/UNS), na França, finalmente conseguiu identificar os componentes responsáveis por seu aroma característico: duas moléculas que os cientistas decidiram chamar de "ácidos olibânicos", encontradas recentemente pela primeira vez na natureza. Os resultados das pesquisas acabam de ser publicados on-line, no site da revista Angewandte Chemie International Edition. [1]

Na Bíblia, ele é citado mais de 20 vezes, aparecendo como um dos tesouros ofertados pelos Reis Magos no Natal. O incenso, também denominado olíbano [2], é uma goma-resina secretada pela casca de árvores do gênero Boswellia, que crescem em países situados às margens do Mar Vermelho e do golfo de Áden. Ele é um dos perfumes mais antigos do mundo: seu uso remonta a mais de 6 mil anos e contempla todas as civilizações, desde a era mesopotâmica até a época atual. Frequentemente queimado durante cerimônias religiosas, o incenso contribui para conferir às igrejas seu odor peculiar. Por incrível que pareça, apesar da longa história e do grande número de pesquisas dedicadas a ele, ainda não tinha sido possível determinar a natureza exata das moléculas que conferem ao incenso seu perfume característico.

Moléculas presentes em quantidades ínfimas

No Instituto de Química de Nice (CNRS/UNS), organismo especializado em perfumes, Nicolas Baldovini e sua equipe conseguiram pela primeira vez identificar essas moléculas. A dificuldade residia em definir métodos de análise suficientemente precisos para caracterizar substâncias aromáticas presentes em quantidades ínfimas (algumas centenas de ppm) no perfume – o que tornava extremamente difícil a identificação.

Goma-resina de incenso © empresa Albert Vieille

Goma-resina de incenso © empresa Albert Vieille

Para chegar aos resultados obtidos, os pesquisadores usaram 3 kg de óleo essencial de incenso da Somália. A partir desse material, isolaram aproximadamente 1 mg de uma amostra purificada de dois componentes aromáticos, obtida por meio de uma série de processos de destilação, extração e cromatografia.

Foi necessário constituir um grupo de pesquisadores treinados para reconhecer o aroma típico do incenso, pois só o olfato humano é suficientemente sensível para detectar esses componentes, presentes em quantidades mínimas em uma mistura.

Em seguida, foi preciso determinar a estrutura molecular dessas substâncias por ressonância magnética nuclear (RMN), técnica equivalente à IRM (imagem por ressonância magnética) aplicada a moléculas. O que confere ao incenso o cheiro tão peculiar de "igreja antiga" são duas moléculas identificadas como os ácidos (+)-trans- e (+)-cis-2-octil-ciclopropano-1-carboxílico. Aliás, foi a primeira vez que esses componentes foram encontrados na natureza. Para confirmar de maneira irrefutável a caracterização das substâncias, realizada graças a um processo de análise espectral, a equipe sintetizou separadamente os dois componentes, que os pesquisadores denominaram "ácidos olibânicos". Os cientistas conseguiram, com a experiência, demonstrar que as substâncias sintetizadas eram idênticas aos componentes naturais.

"Graças a essa descoberta, os perfumistas terão a possibilidade de fabricar essas moléculas de maneira artificial e ilimitada, e de usá-las nos mais variados perfumes", conclui o CNRS em um comunicado.

Observações

[1(+)-cis- and (+)-trans-Olibanic Acids as Key Odorants of Frankincense. Céline Cerutti-Delasalle, Mohamed Mehiri, Cecilia Cagliero, Patrizia Rubiolo, Carlo Bicchi, Uwe J. Meierhenrich and Nicolas Baldovini. Angewandte Chemie International Edition. Publicado on-line em 4 de outubro de 2016.

[2O termo olíbano deriva do latim medieval olibanum e do grego ho libanos

Portfólio

© 2016 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Na 31ª edição da feira Luxe Pack Monaco, o júri do Luxe Pack in Green Awards, um prêmio anual que reconhece as soluções de embalagem mais ecológicas no setor de luxo, bem como as ações corporativas responsáveis, designou os vencedores do ano 2018. Qualipac ganha o prêmio na categoria Packaging Solutions O preço da melhor solução de (...)

+ informações
Palavra de especialista
O Brasil é a nova Coreia do cabelo?

Emmanuelle Bassmann
O Brasil é a nova Coreia do cabelo?

A Brasil International Beauty Fair é a maior feira comercial de beleza da América do Sul. A edição 2018 aconteceu em 08 -11 de setembro de 2018 em São Paulo, Brasil. Veja a seguir uma visão geral das principais tendências e destaques em inovação de produto. O Brasil sempre foi reconhecido por ser inovador no setor de beleza. (...)

+ informações

Seções