Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Ingredientes e fórmulas

Busca por produtos naturais impulsiona uso da cera de carnaúba em cosméticos

Ingrediente é extraído de palmeiras brasileiras e pode ser aplicado em itens para maquiagem e cuidados com os cabelos.

A valorização cada vez maior de produtos naturais e orgânicos está impulsionando o uso da cera de carnaúba em diversas indústrias, inclusive a cosmética, segundo análise feita pela empresa norte-americana Transparency Market Research.

A matéria-prima é uma alternativa natural às ceras de parafina e possui propriedades exclusivas, como brilho, alto ponto de fusão e potencial para reter óleo. Desde 2015, a Lush Brasil usa a cera na fabricação de seus produtos. Ela está presente nas formulações de bálsamos labiais, batons, máscaras para cílios e ceras para bigode. “Além de ser um ingrediente 100% vegetal, a cera de carnaúba ajuda na estabilização das fórmulas, e cria uma textura suficientemente densa para tinturas e maquiagens para os lábios, sem conferir um odor desagradável ou uma rigidez excessiva”, explica Renata Pagliarussi, diretora-geral da Lush Brasil.

Bálsamo Labial Lush Rose Lollipop

Bálsamo Labial Lush Rose Lollipop

Quando misturada com outros ingredientes – como a manteiga de cacau – é possível atribuir uma textura mais densa ao produto, o que pode ser observado em bálsamos e tinturas labiais”, acrescenta a executiva. Além do brilho natural, o ingrediente cria uma camada protetora, o que potencializa seu uso em máscaras para cílios e ceras para bigode. A cera pode ser empregada também em medicamentos, embalagens e na indústria automobilística.

A cera de carnaúba é extraída das folhas da palmeira Copernícia prunífera, uma árvore brasileira que cresce às margens de rios do Nordeste brasileiro, especialmente no Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte. É possível encontrar as carnaubeiras também no Maranhão, Bahia (no vale do rio São Francisco), Pernambuco e Paraíba, mas mais da metade da cadeia produtiva é desenvolvida no Ceará, segundo o Sindicato das Indústrias Refinadoras da Cera de Carnaúba do Estado do Ceará (Sindcarnaúba).

O processo de extração é composto por cinco passos, da coleta da matéria-prima bruta até seu processamento, de acordo com a Carnaúba do Brasil, uma indústria de beneficiamento de cera de carnaúba. A coleta das folhas verdes é feita de julho a fevereiro. O corte da palha é realizado por um vareiro que, com a ajuda de uma vara comprida com uma foice na ponta, corta o talo da folha. “Porém, nem todas as folhas devem ser cortadas para não colocar a vida da planta em risco”, acrescenta Pagliarussi.

Em seguida, as folhas são colocadas para secar em chão batido ou secador solar. A palha seca solta um pó que é cozido e coado em grandes prensas de madeira ou processado por extratores à base de solventes. O resfriamento é feito em tanques rasos, gerando um produto maciço que, na sequência, é quebrado em pedras de cor amarelo-esverdeada ou marrom escura. É a cera bruta, pronta para o beneficiamento, que será derretida em tachos ou autoclaves. O processo é finalizado por uma sucessão de centrifugação, filtração e clareamento.

A presença da cera nas folhas é uma consequência de sua adaptação às regiões secas. Ela dificulta a perda de água por transpiração e protege a planta contra o ataque de fungos”, esclarece Pagliarussi. A Ásia, África Equatorial e alguns países da América do Sul também possuem a árvore, mas o Brasil responde pela maior fatia deste mercado, de acordo com a Transparency Market Research.

Os principais importadores são os EUA, com 26,2% do consumo da carnaúba brasileira, seguidos pelo Japão (16%) e pela Alemanha (15,3%), de acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) obtidos junto à Carnaúba do Brasil. Em 2016, o volume total de cera de carnaúba exportada foi de 15,8 mil toneladas, gerando uma receita de US$ 99 milhões. De janeiro a julho deste ano, a exportação foi de 9,33 mil toneladas.

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), existem ações para desenvolver novos produtos com a formulação da cera de carnaúba, com o
objetivo de expandir o mercado. Pagliarussi, da Lush, afirma que em breve serão lançados novos cosméticos da marca com este ingrediente.

Amanda Veloso

Portfólio

© 2017 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
in-cosmetics retorna ao Brasil nos próximos 18 e 19 de setembro

in-cosmetics retorna ao Brasil nos próximos 18 e 19 de setembro

Quando se trata de beleza, o Brasil se tornou um criador de tendências na América Latina, graças à abundância dos recursos naturais e à propensão à inovação. Agora o quarto maior mercado do mundo, o país sediará a sexta edição da in-cosmetics Latin America, que acontecera em São Paulo os 18 e 19 de setembro de 2019. De acordo com a Euromonitor (...)

+ informações
Palavra de especialista
INFINITE BEAUTY. Embracing the future

Lipotec - Lubrizol
INFINITE BEAUTY. Embracing the future

Tecnologias que eram impensáveis há apenas uma década são agora itens essenciais indispensáveis. Levamos nossas vidas em nossos smartphones. Existe um aplicativo para quase tudo. E a tecnologia wearable, a realidade aumentada e a inteligência artificial estão criando possibilidades ilimitadas para mover, executar, ver e se sentir melhor do (...)

+ informações

Seções