Quatro alisantes de cabelo que estavam sendo oferecidos no mercado brasileiro não podem mais ser comercializados. “O motivo foi a identificação da presença de formol em níveis fora do limite tolerado pela legislação nesses produtos”, anunciou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Análises de pesquisa de formaldeído (formol) foram feitas pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco.

A presença do formol - uma substância cancerígena - em doses acima do tolerado pode causar problemas de saúde, seja pelo contato com a pele, com os olhos ou pela inalação.

Os produtos proibidos são:

- Todos os lotes de Maxxdonna Profissional Matutinha Máscara 02 Redutora de Volume, fabricado pela G.A.M. A empresa não regularizou o produto e a análise apontou a presença irregular de formol.
- Proibição de todos os lotes de 2 Step Ingel Maxx Premium Forever Liss Professional, fabricado até 31/10/2017 pela ITC Cosméticos. O produto não está regularizado e foi identificada a presença de formol na elaboração.
- Suspensão do lote 054 Forever Liss Botox, da empresa Aguss Insdústria e Comércio de Cosméticos LTDA-ME. Análise de contraprova confirmou a presença irregular de formol.
- Suspensão do lote 5444 Bio Amazônica – Argila Terapia, fabricado por Embratec Envaso LTDA. Além de ter sido reprovado na análise de formol, apresentou problemas de rotulagem.

Com a decisão, os produtos não devem ser distribuídos, divulgados, comercializados e nem utilizados.

O uso de formol em produtos cosméticos é limitado, sendo permitido apenas como um conservante, na concentração de até 0,2%, mas nunca como alisante. “O contato com essa substância pode levar à irritação da pele, dor e queimaduras. Já a inalação pode causar irritação na garganta, tosse, diminuição da frequência respiratória e mesmo pneumonia”, disse a Anvisa.