Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Ingredientes e fórmulas

Perfumes: a torcida para que o know-how de Grasse seja declarado patrimônio da humanidade

A cidade francesa de Grasse espera que a Unesco reconheça seu know-how em perfumes como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

"O processo, que teve início há cerca de dez anos, está prestes a ser aprovado", confia o senador e ex-prefeito republicano Jean-Pierre Leleux, presidente da Associação pelo Patrimônio Vivo da Região de Grasse (APVPG). A tão esperada reunião do comitê intergovernamental da Unesco, marcada para o final de novembro, será realizada na Ilha Maurício. A candidatura conta com o apoio de outros países — Índia, China, Argentina, Japão — cuja produção de plantas para perfumes depende, em parte, da preservação do know-how de Grasse.

Transmissão do saber

O selo da Unesco poderá abrir caminho para vários projetos, como a criação de uma sementeira coletiva que forneça mudas de plantas usadas em perfumes, a realização de inventários dos rituais tradicionais associados à colheita e à extração do perfume, e a elaboração de itinerários de visitas turísticas denominados Caminhos perfumados.

Grasse, berço da indústria moderna de fragrâncias, espera que seu know-how em (...)

Grasse, berço da indústria moderna de fragrâncias, espera que seu know-how em matéria de perfumes seja declarado patrimônio da humanidade. Foto: ©Brzozowska / IStock.com

Atualmente, a formação para o setor de perfumes na região de Grasse abrange desde o ensino médio (em escolas integram um curso técnico em horticultura) até o mestrado universitário, mas "os meios de transmissão do saber são majoritariamente informais. Nenhuma escola conseguiria ensinar as sutilezas dos processos de destilação, enfleurage e extração por solvente", argumenta o dossiê de candidatura. Além disso, alguns ofícios estão seriamente ameaçados, como técnico em enxertos vegetais, vidreiro e destilador. A título de exemplo, são necessários sete anos para formar um responsável por destilação e dez anos para exercer como perfumista, e é geralmente dentro das famílias que são transmitidos os conhecimentos indispensáveis ao cultivo de plantas destinadas aos perfumes.

Fragrâncias e aromas: 10% do volume de negócios do mercado mundial

Cidade dinâmica desde a época medieval, Grasse testemunhou a expansão da indústria de perfumes a partir do século XVI, quando as fábricas de couro precisavam de matérias-primas aromáticas para o tratamento dos produtos e para perfumar luvas. Ainda hoje, seu peso econômico é considerável: as empresas da região movimentam 10% do volume de negócios do mercado mundial de fragrâncias e aromas. O know-how de Grasse se desenvolveu em três áreas: a cultura de plantas para perfumes, a composição de perfumes e o processamento de matérias-primas naturais, que mobiliza profissionais de diversas especialidades.

Espalhando-se entre as montanhas dos Pré-Alpes do Sul e o Mediterrâneo, os solos da região de Grasse, relativamente ricos em argila — e, portanto, capazes de se manter frescos —, são propícios à cultura de plantas para perfumes, como jasmim, rosa-de-maio, flor de laranjeira, tuberosa, íris e violeta. Desde os anos 1970, porém, esse território vem sofrendo as consequências da pressão imobiliária, do desenvolvimento de produtos sintéticos e da concorrência de outros polos de produção. O selo da Unesco deverá ampliar a possibilidade de reservar um certo número de terrenos para jovens agricultores, além de incentivar as empresas do setor de perfumaria a assinarem contratos de longo prazo que ofereçam aos floricultores a garantia de que poderão viver da colheita.

Na história da perfumaria, Grasse destacou-se também pelo amplo uso do método de enfleurage em gordura, que no século XIX mobilizava uma legião de operários encarregados de pôr as pétalas em placas cobertas por uma camada de gordura sólida, a fim de extrair o aroma de rosa ou jasmim. A técnica, durante muito tempo relegada ao museu, começou a ser reutilizada há poucos anos por empresas que trabalham com tuberosas.

Independentemente da obtenção ou não desse reconhecimento internacional, e sempre com o objetivo de valorizar o know-how local, no ano passado o Clube de Empresários da Comunidade da Aglomeração da Região de Grasse lançou a marca coletiva Grasse Expertise, destinada aos profissionais do setor de aromas/perfumes/sabores/fragrâncias da região.

Brazil Beauty News, em colaboração com AFP/Relaxnews
(Tradução: Maria Marques)


© 2018 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Luxe Pack prepara sua segunda edição em Los Angeles e anuncia nova locação em Nova York

Luxe Pack prepara sua segunda edição em Los Angeles e anuncia nova locação em Nova York

Luxe Pack, a feira B2B dedicado a embalagens de luxo, retornará na Costa Oeste para uma segunda edição na Los Angeles em 27 e 28 de fevereiro de 2019. Como no ano passado, o evento será realizado em conjunto com a MakeUp em Los Angeles, a feira B2B de acessórios, tendências e formulação de produtos de maquiagem e cuidados com a pele. O (...)

+ informações
Palavra de especialista
Baunilha de Madagascar - fim da crise... ou ainda não?

Rémi Pulverail
Baunilha de Madagascar - fim da crise... ou ainda não?

Na esteira do interessante relatório publicado pela Aust & Hachmann em novembro (Vanilla Market Update - November 2018), gostaríamos de enfatizar alguns aspectos que, ao nosso ver, merecem reflexão. O relatório é bastante otimista. Desnecessário dizer que todos nós desejamos o fim desta crise inabitual, visto que não traz vantagens (...)

+ informações

Seções