Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Marie Alice Dibon

Microbioma: oportunidade para uma abordagem mais inteligente em cosmética

A descoberta do microbioma [1], um dos mais revolucionários avanços da ciência registrados nos últimos dez anos, representa uma oportunidade única para uma abordagem mais inteligente em matéria de cosméticos. Mas, atenção: a condição sine qua non é saber inovar com habilidade ao desbravar esse campo totalmente inédito.

O número dos organismos é dez vezes maior que o número de células humanas (...)

O número dos organismos é dez vezes maior que o número de células humanas presentes no corpo, que acreditávamos ser definido unicamente pelo DNA humano. Com essas descobertas, foi preciso uma nova definição de humanidade.

O microbioma é uma criação contemporânea, símbolo do turbilhão no qual vivemos há alguns anos. O que tornou possível o estudo exaustivo e a descoberta da complexidade e da importância fundamental da flora microbiana que povoa o corpo humano e o mundo dos seres vivos em geral (existem microbiotas de plantas, raízes, animais, etc.) foi o aprimoramento de equipamentos capazes de decodificar os bilhões de genomas que compõem esses organismos. Nenhuma dessas descobertas poderia ter vindo à tona sem a crescente capacidade de armazenamento de dados dos computadores.

Rumo à redefinição do ser humano

Há cinco anos, muitos de nós descobrimos - alguns pela imprensa em geral (e aí se incluem certamente nossos consumidores), outros em revistas especializadas – a imensa diversidade microbiana existente no corpo humano, tanto por dentro como por fora. Isso significa que bilhões de bactérias, vírus e parasitas moram em mim, em você, em cada pessoa. O número desses organismos é dez vezes maior que o número de células humanas presentes no corpo, que acreditávamos ser definido unicamente pelo DNA humano. Com essas descobertas, foi preciso uma nova definição de humanidade. Na verdade, somos constituídos por bilhões de tipos de DNA que, embora não sejam humanos, são parte integrante do corpo. Quando eles morrem ou se deterioram, é uma parte de nós que morre ou se deteriora.

Um desequilíbrio na microbiota resulta em um desequilíbrio no corpo. Todos os dias, os micróbios que constituem nosso corpo dialogam e funcionam em perfeita harmonia com as células humanas, preservando nossa vida e nossa saúde. Sem essa harmoniosa convivência, simplesmente morremos. Dia após dia, a ciência vem revelando novos mecanismos por meio dos quais afetamos de maneira positiva ou negativa esses hóspedes e, consequentemente, nossa saúde.

No corpo, a composição dessa população de micróbios varia em função do local em que se encontram. Nas axilas, região quente e úmida, predominam os gêneros Corynebacterium e Staphylococcus. Nas áreas em que a pele é mais seca, encontram-se famílias do filo Proteobactéria, entre outras. Porém, existe invariavelmente uma mistura de populações bacterianas que interagem não somente com as células humanas como também entre elas.

Oportunidade para uma nova abordagem em cosmética

Para a indústria de cosméticos, o microbioma pode parecer um obstáculo insuperável. Como falar ao público sobre esse invólucro microbiano que recobre a pele e remete a bactérias, organismos que nossa visão pasteuriana do mundo nos ensinou a ver como eminentemente negativos? Como lidar com o fato de que os conservantes presentes nos produtos são potencialmente nocivos para esses sistemas? E o que dizer dos rituais de higiene? Quais os efeitos dos surfactantes? Precisaremos rever os processos industriais, extremamente focados na higiene? Devemos questionar a noção de higiene, já que a pele, por mais limpa, está sempre coberta de micróbios?

Empresas como a AOBiome, com o Mother Dirt, já começaram a oferecer suas próprias soluções. Como avaliar a sua eficácia? Qual o impacto dessas iniciativas nos produtos tradicionais e nos argumentos comerciais? Sejam quais forem as respostas a essas perguntas, temos a obrigação de nos posicionar, informar e agir, de forma totalmente transparente. Uma coisa é certa: estamos diante de uma revolução.

Outra certeza absoluta é a oportunidade única que nos é oferecida de criar novos argumentos, de nos posicionar como uma indústria embasada em sólidos conhecimentos científicos sobre a pele, e de lançar novos modelos de consumo e utilização de produtos. É saindo da zona de conforto que conseguimos abrir espaço para a inovação.

Proteger para depois agir

O que fazer, então? First, do no harm. Esse princípio, que norteia qualquer profissão da área de saúde, pode ser a base para renovar a argumentação em torno dos produtos e elaborar estratégias inteligentes. A imprensa veicula com frequência informações sobre problemas causados por um desequilíbrio do microbioma. Portanto, que tal restaurar o microbioma, cuidar dele, ser os seus guardiões, usando a nosso favor os recursos oferecidos pela mídia?

Na descrição dos objetivos de um produto, a homeostase tem mais força que a reparação. O princípio de homeostase reflete, na verdade, uma tendência global. Sua capacidade de contribuir para a inovação supera amplamente as apostas da indústria de cosméticos, obcecada exclusivamente em oferecer o melhor desempenho e vencer concorrentes que lutam com armas bem diferentes – a cirurgia plástica, por exemplo. Antes de pensar em incorporar bactérias inteligentes aos produtos, podemos começar modificando a formulação de produtos e lançando protocolos e rituais inéditos, baseados nos conhecimentos sobre o microbioma e na otimização da saúde dessa flora.

As oportunidades não faltam e abrangem processos e formulação, ingredientes e embalagens, conceitos e produtos. Sem esquecer a argumentação.

A capacidade de informar será determinante para saber se conseguiremos ingressar com serenidade nessa nova era. Mas esse tema merece ser desenvolvido em um outro artigo, a ser publicado em breve.

Marie-Alice Dibon
(Tradução: Maria Marques)


Observações

[1Atualmente, todos os organismos vivos são analisados por meio do genoma. Por isso, o título do artigo usa o termo "Microbioma" e não "Microbiota".

© 2016 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

Sobre Marie Alice Dibon

Desde 2000, Marie Alice Dibon dirige a Alice Communications Inc., empresa de consultoria em desenvolvimento, comunicação, inovação e regulamentação, atendendo companhias dos setores de biotecnologias, farmácia e beleza. Antes de fundar sua empresa, Marie Alice passou 15 anos na França e nos Estados Unidos, trabalhando para as indústrias de beleza, produtos farmacêuticos e equipamentos médicos. Sua experiência abrange desde o desenvolvimento de produtos até a comercialização, incluindo trâmites regulamentares, business development e fabricação. Marie Alice é titular de um Master em Farmácia Industrial pelo Institut de Pharmacie Industrielle de Lyon (França) e de um doutorado em Farmácia pelo Institut des Sciences Pharmaceutiques et Biologiques de Lyon.

Site: www.alicecommunications.com

Foco
Centdegrés desenha o novo eau de parfum masculino de Eudora, Impression

Centdegrés desenha o novo eau de parfum masculino de Eudora, Impression

O recém lançado eau de parfum masculino de Eudora, Impression, fala de um homem sofisticado, que soube criar e aproveitar as oportunidades que a vida lhe deu para evoluir. Com notas amadeiradas e ambaradas, a fragrância é baseada em cistus labdanum, musk e patchouli. A Centdegrés foi escolhida para representar através do design do (...)

+ informações
Palavra de especialista
Dr Dennis Gross: carro-chefe do mercado americano de tratamentos de ponta para a pele

Emmanuelle Bassmann
Dr Dennis Gross: carro-chefe do mercado americano de tratamentos de ponta para a pele

Quais são as novas propostas dos tratamentos dermatológicos? Que estratégias estão sendo desenvolvidas pelas principais marcas lançadas por profissionais de medicina ou baseadas em conceitos medicinais? Veja a seguir como a marca Dr Dennis Gross responde a essas perguntas. A linha de cuidados do Dr. Dennis Gross, lançada em 2002, teve (...)

+ informações

Seções