Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Mercados e tendências

Mercado brasileiro de cosméticos cresceu de 11% em 2014

O setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPPC) tem faturamento de R$ 101,7 bi em 2014, revelou a Associação Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC). A indústria brasileira de cosméticos tem papel fundamental na economia brasileira e já representa mais de 1,8% do PIB nacional. O Brasil é o terceiro maior mercado consumidor de cosméticos e produtos ligados à beleza.

© TAGSTOCK1 / shutterstock.com

© TAGSTOCK1 / shutterstock.com

Com um faturamento na ordem de R$ 101,7 bilhões, o setor registrou crescimento nominal de 11% em 2014, se comparado aos R$ 91,9 bilhões, de 2013. “Esse desempenho está associado a importantes fatores que impulsionam a indústria nacional, como o investimento em inovação e publicidade,” diz João Carlos Basilio, presidente da ABIHPEC.

Terceiro maior mercado do mundo

O Brasil segue como terceiro maior mercado consumidor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC) do mundo, atrás apenas de Estados Unidos e China, se distanciando cada vez mais do Japão, que ocupa a quarta posição.

Responsável por mais de 1,8% do PIB nacional, a indústria brasileira de HPPC segue representando 9,4% do consumo mundial e ocupa uma fatia de mais de 53% do mercado latino-americano. “Sem dúvida, o Brasil é a grande potência da América Latina. Entre os principais mercados destino das exportações brasileiras do setor estão Argentina, Chile, Venezuela, México e Colômbia, sendo que a categoria de produtos para cabelos é a mais exportada”, reforça João Carlos Basilio.

Categorias de produtos

O segmento de perfumaria movimenta um mercado de mais de R$ 17,1 bilhões. Enquanto o mercado de desodorantes tem um faturamento de R$ 11,5 bilhões.

Cada vez mais a população vem se conscientizando para os riscos da exposição ao sol, o que contribui para um mercado interno forte na categoria de proteção solar, que responde por R$ 4,1 bilhões. A Mintel estima que a categoria vai crescer de 14% em 2015. “Embora o Brasil já fosse líder em protetor solar, no ano passado ampliamos a nossa posição de liderança para toda a categoria de proteção solar”, elucida Basilio.

Entre as principais categorias em que o Brasil figura como 2º maior consumidor mundial estão produtos masculinos, infantis e para cabelos. Nos últimos cinco anos, o segmento de produtos infantis obteve um crescimento médio composto de aproximadamente 14%, alçando faturamento de R$ 4,5 bilhões em 2014. O Brasil é líder em consumo de produtos para cabelo infantil, representando 24% do consumo mundial.

No Brasil, a categoria de produtos masculinos representa quase 11% do consumo total de HPPC. As vendas dobraram de tamanho nos últimos cinco anos e registraram em 2014 um faturamento na ordem de R$ 11,1 bilhões.

No mercado de cabelos o desempenho não foi diferente. Impulsionado pelas categorias de condicionadores, colorantes e xampu, que juntos representam 90% do segmento de cabelos, o País registrou um faturamento de R$ 21,2 bilhões em 2014, um crescimento de 11% frente a 2013.

Fontes: ABIHPEC, Euromonitor

© 2015 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

As feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, que aconteceram entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, receberam 15.400 visitantes e registrou um crescimento de 9%, em comparação com o ano anterior. Na cerimônia de abertura, Geraldo Alckmin, o Governador do Estado de São Paulo, destacou os esforços do Governo para o desenvolvimento das (...)

+ informações
Palavra de especialista
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Laurence Bacilieri
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Nos Estados Unidos, o comércio varejista vem registrando uma queda contínua do faturamento. O setor está passando por profundas mudanças, com a falência de 3.500 lojas, sem falar nas dificuldades que têm enfrentado as redes Macys e Sears & K-Mart. A exemplo do setor bancário, os grandes protagonistas do varejo americano estão (...)

+ informações

Seções