Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Ciência e P&D

IFSCC 2014: A cosmética na era das "ciências ômicas"

Em estudos sobre o genoma ou em cremes anti-idade, as "ciências ômicas" marcaram presença no 28° Congresso da International Federation of Societies of Cosmetic Chemists (IFSCC), realizado de 27 a 30 de outubro em Paris.

Na esteira da genômica, que estuda o conjunto de genes, a família de "ciências ômicas" (omics em inglês) vem crescendo e ganhando espaço tanto em pesquisas médicas como nos departamentos de P&D de fabricantes de produtos cosméticos. "Essas tecnologias abrem as portas a diversos componentes da matéria viva", declarou Dominique Bernard, responsável pela Plataforma Omics na L’Oréal Pesquisa e Inovação, numa entrevista à Agence France Presse. "Elas permitem investigar desde o DNA até o metabólito, ou seja, a minúscula molécula produzida pela atividade da célula".

© Olga Miltsova / shutterstock.com

© Olga Miltsova / shutterstock.com

Na prática, a cosmetologia recorre às ciências ômicas para compreender os mecanismos celulares da pele e identificar "alvos" nos quais agir, orientando assim o desenvolvimento de novos produtos.

Houve uma explosão do emprego de ciências ômicas com o desenvolvimento de técnicas aprimoradas de análise, a exemplo dos chips de DNA. Essas ferramentas usadas pela biologia molecular têm sempre em vista uma abordagem global. A transcriptômica, por exemplo, analisa a forma como um genoma é traduzido em proteínas, graças a RNA mensageiros (ácido ribonucleico mensageiro); a proteômica investiga o conjunto de proteínas produzidas por um genoma; a metabolômica estuda o conjunto de metabólitos de uma célula. "A cada etapa, aumenta a complexidade: a ciência calcula que haja 21 mil genes humanos, mas em se tratando de proteínas, a conta chega a centenas de milhares", ressalta o biologista.

Identificar "alvos"

As ciências ômicas podem gerar uma grande massa de informações sobre a biologia da pele e do cabelo. A dificuldade, para a indústria, é conseguir extrair os elementos certos que levarão ao desenvolvimento e à comercialização de um produto adaptado aos anseios do consumidor.

"Queremos criar sistemas bioinformáticos capazes de captar as informações mais úteis dos Big Data para, entre outras coisas, analisar os diversos tipos e subtipos de pele existentes em várias regiões do mundo", explica Dominique Bernard. "Buscamos também descobrir o que costumamos chamar de ‘alvo’ - elemento a partir do qual possamos desenvolver novas moléculas capazes de agir de forma específica, originando novos produtos cosméticos", prossegue ele. Um bom exemplo desse processo são os novos princípios ativos eficazes no combate ao envelhecimento.

As tecnologias ômicas também permitirão determinar "sinais" característicos de certos tipos de envelhecimento, cronoenvelhecimento ou fotoenvelhecimento. A partir desses dados, poderemos selecionar substâncias ativas para tentar "compensar" esses sinais. "A pele tem uma particularidade fantástica, que é a facilidade de acesso", revela o biologista. "É possível obter um grande número de informações apenas na superfície, sem necessidade de procedimentos invasivos".

A pele e o universo ao seu redor

O suor é outra fonte preciosa de informações para a indústria de cosméticos. "Conhecendo a composição do suor, podemos oferecer produtos de maquiagem que permaneçam mais tempo na pele", indica Claudie Willemin, presidente da Société Française de Cosmétologie, organizadora do Congresso. "Um exemplo que ilustra bem as possibilidades que se abrem é o desenvolvimento de produtos que não deixem a pele brilhando, em especial para consumidores que vivem em países com elevada umidade do ar", acrescenta ela.

Os cientistas têm mostrado crescente interesse pelo microbioma, o universo de centenas de milhões de micro-organismos, como bactérias ou fungos, presentes na superfície da pele e com os quais as células humanas "dialogam" o tempo todo.

Pesquisadores premiados

O Congresso da IFSCC celebra também a entrega de três prêmios científicos. Em 2014, o júri atribuiu os seguintes prêmios:

- O Prêmio de Pesquisa Fundamental para Haruka Goto, da empresa Pola, por seu trabalho sobre um peptídeo antimicrobiano, o hBD-3, que desempenha papel essencial no surgimento de acne durante o período pré-menstrual.
- O Prêmio de Pesquisa Aplicada para Alban Muller, que, em colaboração com a Universidade de Rouen e o fabricante de perfumes Payan Bertrand S.A., elaborou uma nova estratégia para a proteção da pele contra substâncias alergênicas contidas em perfumes. A equipe de pesquisadores identificou e produziu uma prolamina, ingrediente da família de proteínas, que cria sobre a pele uma película imperceptível, sem cheiro nem cor, capaz de protegê-la contra alérgenos presentes em perfumes na hora da vaporização.
- O Prêmio do Melhor Pôster para Ezure Tomonobu, da Shiseido, pela nova visão do efeito anti-idade, com base no fortalecimento das estruturas de sustentação da derme a fim de dar mais firmeza ao rosto.

Nesta edição de 2014, que marcou sua volta à França, o Congresso da IFSCC reuniu cerca de 1.500 participantes originários de 40 países. "Nosso objetivo era organizar um congresso com o qual pudéssemos mostrar que a cosmetologia envolve competências e conhecimentos que vão muito além do setor cosmético propriamente dito," ressalta Claudie Willemin.

A próxima edição do Congresso da IFSCC será realizada em Zurique, Suíça, de 20 a 23 de setembro de 2015.

Régine Frick, Vincent Gallon com AFP/Relaxnews

© 2014 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

As feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, que aconteceram entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, receberam 15.400 visitantes e registrou um crescimento de 9%, em comparação com o ano anterior. Na cerimônia de abertura, Geraldo Alckmin, o Governador do Estado de São Paulo, destacou os esforços do Governo para o desenvolvimento das (...)

+ informações
Palavra de especialista
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Laurence Bacilieri
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Nos Estados Unidos, o comércio varejista vem registrando uma queda contínua do faturamento. O setor está passando por profundas mudanças, com a falência de 3.500 lojas, sem falar nas dificuldades que têm enfrentado as redes Macys e Sears & K-Mart. A exemplo do setor bancário, os grandes protagonistas do varejo americano estão (...)

+ informações

Seções