Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Leïla Rochet-Podvin

O fenômeno "selfie" estaria provocando uma redefinição dos padrões de beleza?

Em 2013, "selfie" foi eleita palavra do ano pela Oxford Dictionaries. O fenômeno de fazer um autorretrato com o smartphone e compartilhar na Internet bombou em 2013 e continua dando o que falar em 2014. A etimologia do termo inglês reúne a raiz self (que corresponde ao prefixo "auto" e significa "si mesmo") e o sufixo "ie", que confere ao vocábulo uma dimensão amical e fofa. Segundo pesquisa da Oxford Dictionaries [1], o uso da palavra selfie cresceu mais de 17.000% em um ano.

"Selfie" – o fenômeno

Quer sejam feitos por anônimos, celebridades ou políticos (como o selfie de Obama, Cameron e Thorning-Schmidt no funeral de Nelson Mandela), a teatralização de si mesmo está na moda e é facilitada pela evolução das novas tecnologias. A socialite Kim Kardashian chegou a divulgar uma série de conselhos para tirar o "selfie perfeito", mencionando inclusive a famosa "cara de pato".

Alguns especialistas têm tentado compreender esse fenômeno que virou febre entre os jovens e pode ser descrito como "o marco de uma nova era na técnica de produzir uma imagem de si mesmo". Encomendado a um artista na época de nossos antepassados, o retrato hoje está ao alcance de todos, possibilitando a divulgação de um estado de espírito ou de uma faceta da personalidade e estabelecendo uma linguagem própria que favorece o compartilhamento.

O selfie hoje faz parte do dia a dia. Uma pesquisa realizada pelo Instituto IPSOS/Association pour la Promotion de Soi, cujos resultados foram divulgados em outubro de 2013, revela a importância da teatralização de si mesmo. Entrevistados sobre o por quê de tirar fotos digitais, 48% de franceses responderam: "para fazer autorretratos e ser o protagonista de uma cena". Na faixa etária de 15-29 anos, essa resposta alcançou 61%. [2]

"Selfie" e beleza

Enquanto alguns se mostram preocupados com o fenômeno, farejando uma exacerbação do narcisismo, outros veem uma metamorfose nos padrões visuais. Em um artigo da revista Nouvel Observateur, André Gunter fala de "estética do diálogo", pois a finalidade "não é ser bonito, mas participar de uma atividade lançada como moda pelas redes sociais e capaz de criar um novo padrão visual. Ninguém precisa ficar lindo, pois não se trata de uma obra de arte. O importante é que a imagem gere interação e diálogo". [3]

E se o fenômeno dos selfies estivesse transformando padrões de beleza, fazendo surgir um modelo singular, bem diferente dos ícones apresentados nas revistas de moda? Essa foi a pergunta feita pela Dove em um documentário realizado por ocasião do Sunday Film Festival, exibido em 20 de janeiro de 2014. No comunicado, a marca afirma que "as redes sociais oferecem uma oportunidade para criar uma mídia própria, para personalizar a beleza e influenciar o diálogo sobre esse tema". Mais de 55% das mulheres, segundo o estudo da Dove, consideram que as mídias sociais desempenham um papel mais importante que os meios de comunicação tradicionais no que se costuma chamar beauty conversation (diálogo de beleza, em tradução livre). [4]

Seguindo a linha das campanhas da Dove, que há dez anos exaltam a "real beleza" e valorizam a autoestima, o novo filme evidencia a influência da imagem que cada um tem de si na aceitação de uma beleza diferente, que não precisa ser perfeita. Um filme que convida todas as mulheres a compartilharem sua visão da beleza em Twitter #BeautyIs e alimenta a reflexão sobre os novos padrões de beleza e feminilidade.

Leila Rochet-Podvin

Observações

[1lesechos.fr: "Selfie, l’expression qui a progressé de 17.000% en un an" (19 de novembro de 2013)

[2fft.com: Observatoire de la Vie Numérique des Adolescents (12-17 ans), "Le selfie, portrait de soi narcissique ou nouvel outil de construction identitaire" (18 de novembro de 2013)

[3Le Nouvel Obs: "Le selfie, l’autoportrait au smartphone devenu nouvelle esthétique" (20 de novembro de 2013)

[4abc news: "New Dove Campaign asks whether selfless define beauty"

© 2014 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

Sobre Leïla Rochet-Podvin

Leïla Rochet-Podvin atuou como diretora de marketing internacional e diretora de filial da Procter & Gamble e da LVMH (Dior e Givenchy). Fascinada por tendências, pela inovação e pela indústria da beleza, em 2007 ela criou a Cosmetics Inspiration & Creation, agência de análise de tendências e consultoria em inovação para o setor de beleza. Leïla aprecia percorrer o mundo para buscar inspiração em tendências e diferenças culturais. Sua agência presta serviços para marcas do setor de beleza de diversos países, acompanhando o processo de criação de produtos inovadores.

Site da agência:
www.inspiration-creation.com

Foco
Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

As feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, que aconteceram entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, receberam 15.400 visitantes e registrou um crescimento de 9%, em comparação com o ano anterior. Na cerimônia de abertura, Geraldo Alckmin, o Governador do Estado de São Paulo, destacou os esforços do Governo para o desenvolvimento das (...)

+ informações
Palavra de especialista
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Laurence Bacilieri
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Nos Estados Unidos, o comércio varejista vem registrando uma queda contínua do faturamento. O setor está passando por profundas mudanças, com a falência de 3.500 lojas, sem falar nas dificuldades que têm enfrentado as redes Macys e Sears & K-Mart. A exemplo do setor bancário, os grandes protagonistas do varejo americano estão (...)

+ informações

Seções