Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Mercados e tendências

Mesmo em ano de nova baixa nas exportações, cosméticos brasileiros crescem em quatro países da América Latina

Com desvalorização do real e entraves burocráticos, comércio exterior retraiu 13,7% em 2016, mas obteve crescimentos acima de 10% na Argentina, Paraguai, Colômbia e México.

Ricardo Nobrega, gerente de comércio exterior da ABIHPEC

Ricardo Nobrega, gerente de comércio exterior da ABIHPEC

Em 2016, as exportações brasileiras de produtos de beleza caíram mais uma vez, mas o resultado não pegou ninguém de surpresa. A baixa foi de 13,7%, registrando um resultado inferior ao ano anterior, quando as vendas do setor para o mercado externo tiveram queda de 10,3% na comparação com 2014.

A recessão econômica e as turbulências no cenário político brasileiro enfrentadas nos últimos anos afetaram não apenas o desempenho da indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos no mercado nacional, como também as exportações do país”, afirma Ricardo Nobrega, gerente de comércio exterior da ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos).

Para ele, a instabilidade do real contribuiu diretamente para o mau desempenho do Brasil nos negócios externos, mas não foi o único fator. Uma pesquisa realizada em 2016 pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) apontou outras barreiras às exportações brasileiras. Foram citadas as tarifas cobradas por portos e aeroportos, as taxas pagas a órgãos federais, a ineficiência governamental no suporte aos exportadores e a dificuldade de praticar preços competitivos fora do país. Contudo, nada superou a questão logística, eleita como principal obstáculo para os empresários brasileiros que vendem ao exterior.

Na lista atual dos dez maiores compradores de cosméticos brasileiros, nove são países latino-americanos – os EUA ocupam a 9ª posição. “Apesar de ainda existir alguns entraves para exportar para a América Latina, temos proximidade física, o que facilita a logística de exportação, além de similaridade nos hábitos de consumo e higiene pessoal”, destaca Nobrega.

Em 2016, esse conjunto de países foi responsável por 82,6% do total das vendas internacionais do setor, somando mais de US$ 510 milhões, de acordo com dados do MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços). O número é 11,2% inferior ao do ano anterior, quando os top ten geraram US$ 575 milhões em exportações.

Quatro mercados foram exceções dentro desse ranking: Argentina, Paraguai, Colômbia e México. Juntos, estes países receberam 52,5% do total de exportações de HPPC do Brasil no ano passado, com crescimento acima de 10% em relação a 2015.

Produtos para o cabelo são os campeões de exportação

Produtos para o cabelo são os campeões de exportação

Os melhores resultados ficaram por conta dos nossos vizinhos e parceiros de Mercosul. Na Argentina, primeira na lista dos top ten, o aumento foi de 14,9%. O Paraguai, ocupando o quinto lugar, ultrapassou os 22%. Colômbia e México também se sobressaíram, com altas de 13,1% e 10,1% respectivamente. Os países ocupam hoje o terceiro e quarto lugares das vendas internacionais do setor.

A queda mais expressiva entre os principais compradores de produtos de beleza brasileiros foi para a Venezuela. O país passa por uma grave crise econômica, com retração de quase 19% em seu Produto Interno Bruto e uma inflação que chegou a 800% no ano passado, segundo dados preliminares do Banco Central do país. Se em 2015 o Brasil comercializou US$ 109 milhões em cosméticos com a Venezuela, no último ano as vendas ficaram em US$ 11 milhões, despencando quase 90%.

Os produtos brasileiros de HPPC que mais atraem o mercado externo são os de cuidados com o cabelo. A grande diversidade étnica do país levou a indústria desenvolver uma ampla gama de artigos, atendendo aos mais diferentes públicos. Os lançamentos também são parte importante das exportações – cerca de 30% do faturamento do setor são provenientes de novos produtos, de acordo com a ABIHPEC.

Desde 2000, a associação – em convênio com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) – desenvolve o projeto Beautycare Brazil, que apoia e fomenta as exportações brasileiras do setor. Promovendo feiras, rodadas de negócios e missões empresariais em diferentes partes do mundo, o programa aproxima potenciais compradores e companhias brasileiras que querem expandir seus negócios internacionalmente.

Renata Martins

© 2017 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Na 31ª edição da feira Luxe Pack Monaco, o júri do Luxe Pack in Green Awards, um prêmio anual que reconhece as soluções de embalagem mais ecológicas no setor de luxo, bem como as ações corporativas responsáveis, designou os vencedores do ano 2018. Qualipac ganha o prêmio na categoria Packaging Solutions O preço da melhor solução de (...)

+ informações
Palavra de especialista
Espiritualidade, fonte de inspiração para cosméticos - Tendências nos EUA

Cosmetics Inspiration & Creation
Espiritualidade, fonte de inspiração para cosméticos - Tendências nos EUA

Conquistando cada vez mais espaço nos últimos anos, o poder das pedras é novamente a tendência da vez, alimentada pela busca de vitalidade, bem-estar e plenitude. Essa busca vai muito além da noção de bem-estar físico ou psíquico. Sem dúvida, a tendência se intensificou por ter encontrado na sociedade hiperconectada um terreno fértil, onde (...)

+ informações

Seções