Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Embalagem e design

Cosméticos com embalagens maiores são tendência no Brasil, segundo a Mintel

Menos visitas ao ponto de venda, o hábito de compartilhar produtos com outros membros da família e a redução no descarte dos frascos estão entre as razões apontadas pelos consumidores.

Juliana Martins, analista de Beleza e Cuidados Pessoais da Mintel

Juliana Martins, analista de Beleza e Cuidados Pessoais da Mintel

De um lado, a indústria cosmética no Brasil enfrenta queda nas vendas, dólar alto e aumento dos impostos. De outro, o crescimento do índice de desemprego e da inflação deixam os consumidores com o poder de compra cada vez mais reduzido. Nesta equação, as embalagens maiores podem ser uma saída para o consumo de cosméticos, segundo Juliana Martins, analista de Beleza e Cuidados Pessoais da Mintel.

Os consumidores estão buscando maneiras de economizar nas compras e ir menos ao ponto de venda pode fazer com que sintam que estão gastando menos. É aí que entram os produtos com embalagens maiores. Eles duram mais e o consumidor precisa comprá-los com menos frequência,” afirma Martins.

Praticidade também é um fator que contribui para a tendência, principalmente no caso de consumidores que resistem às compras online e se deslocam até as lojas físicas para experimentar e adquirir os produtos. Um relatório da Mintel sobre sabonetes e produtos para banho, divulgado em 2014, revela que 44% dos entrevistados afirmaram que preferem sentir o aroma do produto antes de comprá-lo. “Ou seja, a fragrância é um fator de influência na decisão de compra”.

Ela destaca que o estudo Comércio Eletrônico, publicado no mesmo ano, apontou que 19% dos brasileiros não adquiriram artigos de higiene e beleza pela internet nos últimos 12 meses, mas admitem essa possibilidade no futuro. Porém, mais de 7 em cada 10 brasileiros (75%) disseram não ter usado o canal online nos últimos 12 meses e afirmaram que não pretendem comprar futuramente. “Os brasileiros consideram importante que as lojas ofereçam formas de experimentar um produto antes de comprá-lo”, conclui.

O número reduzido de visitas ao ponto de venda é somado à prática de compartilhar um produto de beleza ou de higiene pessoal com outros membros da família. Segundo Martins, em um relatório da Mintel de 2015, focado em itens para bebês e crianças, 17% dos pais disseram que os filhos, com idade entre 8 e 12 anos, usam o mesmo xampu ou sabonete que eles. “A ideia é que um mesmo produto possa ser usado diversas vezes, por um período prolongado, e dividido com outros membros da família”, explica a analista.

Essa tendência não é exatamente uma novidade no Brasil, que já fabricava cosméticos nas tradicionais embalagens jumbo. Porém, elas eram mais comuns no mercado profissional e agora chegaram com força total ao consumidor final, a exemplo dos xampus de 750ml e cremes de tratamento de 1kg, da TRESemmé. O fabricante de cosméticos também encontra mais opções disponíveis entre empresas produtoras de embalagens, como Amcor, Monte Sião Plásticos e Globalpack.

A sustentabilidade é mais um fator de incentivo ao consumo, já que um frasco grande jogado fora polui menos o meio ambiente que o descarte de vários de menor tamanho. Segundo Martins, uma pesquisa recente da Mintel mostrou que 39% dos millennials dão preferência a marcas sustentáveis.

A tendência por volumes maiores vai na contramão do segmento de luxo, dominado por produtos importados e caracterizado por embalagens pequenas e sofisticadas. Porém, essas marcas têm sentido com mais intensidade os efeitos da recessão econômica, já que muitos brasileiros têm preferido comprar produtos locais. “As empresas nacionais aproveitaram a alta do dólar para inovar e se reposicionar no mercado, usando tecnologias de ponta no desenvolvimento de seus produtos”, destaca Martins.

Ela cita como exemplos os esmaltes, que chegaram a ser vistos como itens de luxo depois de a marca francesa Chanel comercializar as cores criadas para seus desfiles de moda. “As brasileiras fizeram de tudo para ter um vidrinho que custava mais de US$ 30. Porém, nosso relatório Maquiagem e Esmalte para Unhas, de abril de 2015, mostrou que 76% das consumidoras estão dispostas a pagar menos de R$ 10 por um esmalte e 14% entre R$ 10 e R$ 39,99”, afirma Martins.

Amanda Veloso

Portfólio

© 2016 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Na 31ª edição da feira Luxe Pack Monaco, o júri do Luxe Pack in Green Awards, um prêmio anual que reconhece as soluções de embalagem mais ecológicas no setor de luxo, bem como as ações corporativas responsáveis, designou os vencedores do ano 2018. Qualipac ganha o prêmio na categoria Packaging Solutions O preço da melhor solução de (...)

+ informações
Palavra de especialista
Espiritualidade, fonte de inspiração para cosméticos - Tendências nos EUA

Cosmetics Inspiration & Creation
Espiritualidade, fonte de inspiração para cosméticos - Tendências nos EUA

Conquistando cada vez mais espaço nos últimos anos, o poder das pedras é novamente a tendência da vez, alimentada pela busca de vitalidade, bem-estar e plenitude. Essa busca vai muito além da noção de bem-estar físico ou psíquico. Sem dúvida, a tendência se intensificou por ter encontrado na sociedade hiperconectada um terreno fértil, onde (...)

+ informações

Seções