Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Ingredientes e fórmulas

Ylang-ylang: as ameaças que pairam sobre produção nas ilhas Comores

O ylang-ylang é um componente essencial de muitos perfumes. A produção do óleo essencial extraído dessa flor representa mais de um décimo das exportações do arquipélago de Comores, principal produtor mundial. Mas, há alguns anos, autoridades e agrônomos têm alertado para os riscos que ameaçam a "flor das flores".

© AFP Photo / Marco Longari

© AFP Photo / Marco Longari

Originária das Filipinas, a flor de ylang-ylang chegou à Ilha da Reunião no século XVIII, levada por navios franceses. No início do século XX, a planta migrou para Comores e Madagascar.

350 destilarias

Para as ilhas Comores, o ylang-ylang é uma fonte de divisas indispensável à economia local, da mesma forma que a baunilha e o cravo-da-índia. A cada ano, esse pequeno Estado produz entre 30 e 40 toneladas de óleo essencial de ylang-ylang, superando Madagascar. A produção é desenvolvida principalmente na ilha Nzwani (Anjonan), onde foram instaladas 350 destilarias.

O ylang-ylang rendeu aos cofres do país 1,5 milhão de euros em 2013 e 2014, o que corresponde a 11% das receitas de exportação.

"O ylang-ylang representa um potencial significativo de renda e divisas para o país", estima o economista Ibrahim Ahamada, do Fundo Monetário Internacional (FMI). Porém, é indispensável que haja "uma séria reorganização da cadeia produtiva". Esse trabalho teve início há um ano, com ajuda de fundos de investimentos internacionais. Para preservar – ou até aumentar – a produção, é necessário investir muito, bem como adotar medidas contra o desmatamento.

Desmatamento e êxodo rural

Há alguns anos, autoridades e agrônomos vêm alertando para as ameaças que pairam sobre o ylang-ylang.

Cultivada de forma semelhante à da videira, essa árvore requer constante atenção. Sem poda regular, o tronco fica alto demais e os agricultores não conseguem alcançar as flores. Além disso, as plantações do arquipélago já têm mais de cem anos e estão envelhecendo. "Apesar do peso enorme que o óleo de ylang-ylang representa para a economia, é surpreendente constatar que não existe nenhum programa de melhoria da planta", ressalta a agrônoma Céline Benini, da Universidade de Liège, na Bélgica.

Os especialistas também incitam o país a reagir diante da diminuição desenfreada da cobertura florestal: -25% em 20 anos. Além disso, em razão do abastecimento irregular de energia elétrica, a destilação do óleo essencial de ylang-ylang deve ser feita em velhos alambiques com caldeira a lenha.

Para completar, uma outra ameaça paira sobre o ylang-ylang: a dureza do trabalho realizado pelos camponeses. As plantações exigem uma vasta operação de limpeza das ervas daninhas, de poda e de colheita, produzindo ao final uma safra de 25 kg a 40 kg por dia e por agricultor na alta estação. A remuneração desse penoso trabalho é de aproximadamente 50 euros por mês. Como consequência, a continuidade da produção está em risco, visto que os jovens preferem tentar a vida na cidade ou emigrar.

Garantir o abastecimento

Os fabricantes de perfumes têm plena consciência das dificuldades e ameaças que pesam sobre a produção dessa planta estratégica, que não é a única a sofrer com esse tipo de problema.

© AFP Photo / Marco Longari

© AFP Photo / Marco Longari

"Em perfumaria, identificamos atualmente uma centena de matérias-primas críticas, para as quais é necessário garantir um patamar mínimo de estabilidade de preços e qualidade. Muitas dessas matérias-primas provêm de países vítimas de êxodo rural, onde as terras cultivadas são abandonadas por agricultores que partem para grandes metrópoles sem bilhete de volta. Na Índia, no Laos, em Uganda e no Haiti, por exemplo, estamos investindo em programas de apoio à população rural, para que os agricultores possam continuar plantando com a garantia de uma renda estável e de um mercado onde possam comercializar a produção no longo prazo. Oferecemos, a essas pessoas, uma remuneração segura, com a qual eles podem plantar, investir e inovar. Essa organização foi desenvolvida como um sistema permanente de apoio", explicava recentemente Olivier de Lisle, responsável pela divisão Fine Fragrance da Firmenich, em uma entrevista ao site Premium Beauty News.

Em relação ao ylang-ylang de Comores, a Chanel explica que vem investindo para convencer e incentivar os fornecedores a plantar árvores destinadas especificamente à queima nas caldeiras. A Maison francesa de perfumes compromete-se também a respeitar a mão de obra e pagar salários dignos aos trabalhadores.


V.G., com AFP/Relaxnews
Tradução: Maria Marques

© 2015 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

As feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, que aconteceram entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, receberam 15.400 visitantes e registrou um crescimento de 9%, em comparação com o ano anterior. Na cerimônia de abertura, Geraldo Alckmin, o Governador do Estado de São Paulo, destacou os esforços do Governo para o desenvolvimento das (...)

+ informações
Palavra de especialista
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Laurence Bacilieri
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Nos Estados Unidos, o comércio varejista vem registrando uma queda contínua do faturamento. O setor está passando por profundas mudanças, com a falência de 3.500 lojas, sem falar nas dificuldades que têm enfrentado as redes Macys e Sears & K-Mart. A exemplo do setor bancário, os grandes protagonistas do varejo americano estão (...)

+ informações

Seções