Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Mercados e tendências

O mercado de aparelhos estéticos para uso em casa cresceu 14% em 2014

Novos produtos inspirados em tecnologias profissionais, como aparelhos a laser e as primeiríssimas máscaras de LED, contribuem para atiçar o interesse do consumidor e engrossar o mercado de aparelhos estéticos para uso doméstico - mercado que cresceu cerca de 14% no mundo em 2014, segundo a Kline & Company, empresa de consultoria e pesquisa de mercado. Em seu relatório Beauty Devices: Global Market Analysis and Opportunities, publicado recentemente, a Kline & Company afirma que o mercado continua dando provas de extraordinário dinamismo, tendo praticamente dobrado de tamanho desde a primeira vez em que foi identificado, em 2014.

Um dos produtos mais originais foi apresentado pela novata La Lumière, que lançou, com sua marca illuMask, uma linha de máscaras de LED para "usar" no rosto. Disponível em duas versões – antiacne e anti-idade – por um preço bem abordável (US$29.95), a illuMask deseja conquistar o mercado de massa que, até então, vinha dando sinais de apatia.

Já outras marcas preferem apostar em alternativas mais caras e apresentam novos aparelhos a laser para uso doméstico. O novo Age-Defying Laser, da TRIA, e o Skin Smoothing Laser, da Iluminage Beauty, por exemplo, estão impulsionando o segmento anti-idade, que registrou crescimento de dois dígitos. Outros lançamentos também têm contribuído para essa performance, como os das marcas RIO e Beurer na Europa. Enquanto nos Estados Unidos os tratamentos anti-idade estão dando uma injeção de vitalidade no mercado, na Europa, China e Coreia do Sul os sistemas de limpeza e purificação da pele são os que mais crescem.

Na Europa, o sopro de novidade veio do setor de tratamentos estéticos profissionais: Philips, Home Skinovation e Beurer lançaram aparelhos de uso doméstico para microdermoabrasão, terapia facial muito popular em spas e institutos de beleza. Outra empresa a se destacar em 2014 foi a Bliss (Steiner Leisure), que lançou o Fabulips “Pout”-o-matic Spa Powered Lip-Perfecting System, novo produto de microdermoabrasão para os lábios.

Na Ásia, a concorrência entre marcas locais e estrangeiras ficou mais acirrada. Companhias multinacionais ingressaram com força total nos mercados da China e da Coreia do Sul – e muitas delas registraram crescimento significativo em ambos os países, como Refa (MTG), Clarisonic (L’Oréal) e Clinique (Estée Lauder). Paralelamente, as marcas locais desses dois países tiveram desempenhos contrastados – algumas conquistaram posições de liderança no mercado no último ano, enquanto outras caíram do pódio em 2014.

"Por vários motivos, o segmento de aparelhos estéticos se transformou em uma arena de forte competição entre os fabricantes: os dois extremos da faixa de preços estão a léguas de distância um do outro – desde menos de US$30 até acima de US$500; novas empresas estão remando para pegar a onda do crescimento; outras, que já estão posicionadas, desejam expandir sua atuação para além dos setores de limpeza de pele e depilação. Por outro lado, a maior amplitude de preços e opções de produtos tornou o mercado muito mais acessível, ampliando a base de consumidores", comenta Karen Doskow, diretora do setor Consumer Products Practice da Kline.


Fonte: Kline & Company
Tradução: Maria Marques

© 2015 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

As feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, que aconteceram entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, receberam 15.400 visitantes e registrou um crescimento de 9%, em comparação com o ano anterior. Na cerimônia de abertura, Geraldo Alckmin, o Governador do Estado de São Paulo, destacou os esforços do Governo para o desenvolvimento das (...)

+ informações
Palavra de especialista
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Laurence Bacilieri
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Nos Estados Unidos, o comércio varejista vem registrando uma queda contínua do faturamento. O setor está passando por profundas mudanças, com a falência de 3.500 lojas, sem falar nas dificuldades que têm enfrentado as redes Macys e Sears & K-Mart. A exemplo do setor bancário, os grandes protagonistas do varejo americano estão (...)

+ informações

Seções