Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Empresas e indústria

Cosméticos licenciados impulsionam vendas e dão visibilidade no mercado

Apesar dos royalties chegarem a 10% do valor final do produto, as vendas de produtos licenciados podem ser até 20% superiores, segundo a Associação Brasileira de Licenciamento.

A comercialização de cosméticos licenciados é uma estratégia usada por muitas pequenas e médias empresas do setor para ganhar mercado e atrair o consumidor final. O direito contratual de utilização de marca por um tempo determinado é firmado em troca de royalties, que são calculados a partir de um percentual sobre o valor gerado com as vendas.

Linha de esmaltes Flávia Alessandra da Mohda Cosméticos

Linha de esmaltes Flávia Alessandra da Mohda Cosméticos

De acordo com a Associação Brasileira de Licenciamento (Abral), este é um negócio em ascensão no Brasil: com faturamento de R$13,2 bilhões em 2014, 6% maior que o registrado no ano anterior, o país já é o sexto maior licenciador de marcas no mundo, atrás de Estados Unidos, Japão, Inglaterra, México e Canadá. No setor de cosméticos – que ocupa a quarta posição no ranking nacional de licenciamentos –, a prática é bastante comum e não vem de hoje.

Com foco no público infantil, a Phisalia começou a trabalhar com licenciados nos anos 1980. Para se estabelecer no mercado, escolheu uma personagem da turma da Hello Kitty, bastante popular na época, e lançou seus primeiros produtos. “O sucesso foi grande”, diz Ligia Sposito, gerente de marketing da empresa, que aproveitou o retorno positivo para criar sua própria marca, a Trá Lá Lá Kids, que até hoje responde pela maior parte dos lucros da Phisalia.

A fabricante de esmaltes Mohda Cosméticos fez o caminho inverso. No mercado desde 2008, a empresa esperou até o começo deste ano para lançar sua primeira coleção licenciada, que leva o nome da atriz Flávia Alessandra. “Notamos que havia chegado a hora de vincular nossa marca a uma estrela”, afirma Marcela Goulart, responsável pelo marketing e desenvolvimento da companhia. Apesar de celebrar os resultados iniciais – “a aceitação foi nota 10”–, ela revela: “a maior rentabilidade é a projeção da nossa marca. A Mohda ainda vende mais”.

O preço de um produto licenciado geralmente é mais alto. Segundo informações da Abral, cosméticos pagam de 5% a 8% de royalties sobre o preço do varejo. Já a Phisalia afirma que as taxas podem ser ainda maiores, de 7% a 10%. “Licenciados geram mais gastos pela porcentagem de royalties destinada aos detentores da marca e ainda pelas embalagens, normalmente mais elaboradas e atrativas”, conta Ligia Sposito.

Mas então, por que licenciar? Segundo a Abral, uma marca licenciada garante alta de até 20% nas vendas dos produtos e maior visibilidade no mercado. A entidade também cita outros bons motivos: agregar valor aos produtos, aumentar a diferenciação em relação aos concorrentes e aproveitar a oportunidade de associar rapidamente um produto a um modismo.

Shampoo e Condicionador Patati Patatá da Phisalia

Shampoo e Condicionador Patati Patatá da Phisalia

O mercado de licenciamento é bastante dinâmico”, afirma a gerente da Phisalia, que apostou na popularidade atual da dupla de palhaços Patati Patatá para desenvolver uma nova linha de cosméticos e higiene para crianças no ano passado. A empresa também utilizou o lançamento do quarto filme da franquia Transformers, no último mês de julho, para renovar os xampus e condicionadores licenciados com esta marca. “Eles são tão rentáveis quanto uma marca própria, pois o valor de mercado acaba sendo um pouco maior, o que aumenta as margens”, explica Sposito.

Já a Alta Moda é..., pertencente ao grupo Alfaparf, viveu uma experiência diferente no ramo do licenciamento. A fabricante de esmaltes foi procurada pela atriz Gloria Pires, que estreava em 2014 sua marca Bemglô, com acessórios, calçados, artigos de decoração e até para animais de estimação. Faltava uma linha de esmaltes.

Aconteceu um encontro de interesses. Somos uma marca conhecida no mercado há muitos anos e Gloria já usava nossos produtos. Quando ela decidiu lançar sua marca, nós fomos os parceiros escolhidos”, afirma Carmen Marijuan, diretora de treinamento e desenvolvimento da Alta Moda é.... A coleção chegou às prateleiras no início de 2015 e já ganhou novas cores. “A aceitação foi fantástica”, comemora.

Renata Martins

Portfólio

© 2015 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

mais recentes
Foco
Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Qualipac e Verescence vencedores do Prêmio Luxe Pack in Green Monaco 2018

Na 31ª edição da feira Luxe Pack Monaco, o júri do Luxe Pack in Green Awards, um prêmio anual que reconhece as soluções de embalagem mais ecológicas no setor de luxo, bem como as ações corporativas responsáveis, designou os vencedores do ano 2018. Qualipac ganha o prêmio na categoria Packaging Solutions O preço da melhor solução de (...)

+ informações
Palavra de especialista
Espiritualidade, fonte de inspiração para cosméticos - Tendências nos EUA

Cosmetics Inspiration & Creation
Espiritualidade, fonte de inspiração para cosméticos - Tendências nos EUA

Conquistando cada vez mais espaço nos últimos anos, o poder das pedras é novamente a tendência da vez, alimentada pela busca de vitalidade, bem-estar e plenitude. Essa busca vai muito além da noção de bem-estar físico ou psíquico. Sem dúvida, a tendência se intensificou por ter encontrado na sociedade hiperconectada um terreno fértil, onde (...)

+ informações

Seções