Siga-nos twitter facebook
Edição: Brasil
Clique aqui para recebernossa newsletter gratuita cliquez ici
Marie Alice Dibon

Ciências e tendências, rima evidente e promissora

Ela está misturando alhos com bugalhos? Era essa a impressão que tinham de mim no início, quando comecei a refletir sobre o tema. Para certas pessoas, parecia realmente uma aliança artificial. Já para mim, nada mais natural do que unir ciências e tendências.

Dando consultoria para escritórios de tendências, trabalhando junto a fornecedores da indústria como especialista nas áreas científica e tecnológica, explorando, com insaciável gula, o papel social da ciência ao lado de Jean-Claude Ameisen e Michel Serres, ou simplesmente observando os efeitos múltiplos e poderosos da ciência e da tecnologia em meu ecossistema, parecia-me impossível pensar que as tendências pudessem ser estudadas e compreendidas sem o conhecimento, mesmo profano, das correntes científicas – e vice-versa.

Desde 2000, venho focando meu trabalho na construção de passarelas entre áreas que tradicionalmente se comunicam pouco ou mal: ciência e marketing, startupers científicos e o mundo do business development, pesquisadores e consumidores de tecnologia, França e Estados Unidos, pesquisa pública e setor privado.

Nesse papel de mediação, atuo como traço de união, por vezes uma base de conciliação e não raro um elétron livre e perturbador. Tenho a convicção profunda de que a inovação brota da conexão, pois inerente à aliança é sua capacidade de forçar as pessoas a saírem da zona de conforto, a apreenderem o outro e sua linguagem.

E é justamente essa instabilidade e esse desconforto que engendram a criatividade e a inventividade. Jamais, em tempo algum, alguém inventou algo assistindo televisão, sentado numa poltrona. A invenção pode ser feita de dor ou delícia, mas nunca sem mexer no statu quo.

Unir ciência e tendência tem lógica e é produtivo, por todas essas razões. Resta saber como consagrar essa união.

Antes de desenvolver um produto, ouvimos o que as tendências têm a dizer. Mas, na prática, essa contribuição chega cedo demais em relação ao processo como um todo, e as chances são grandes de que ela se perca ao longo do caminho. Naturalmente, antes de desenvolver um produto, estudamos as tendências. Mas, na prática, a contribuição desse estudo chega cedo demais em relação ao processo de desenvolvimento como um todo, e as chances são grandes de que ela se perca ao longo do caminho. Por isso, é fundamental ter em mente as tendências, tanto quanto os dados do mercado, em todas as fases de desenvolvimento de um produto.

Estudar a Ciência pelo prisma das tendências nos obriga também a buscar um sentido, a compreender melhor o sentido dos princípios que constituem a base das tecnologias que utilizamos. Este é um exercício que torna as profissões técnicas mais interessantes, conferindo ao dia a dia do pesquisador textura nova e cores inéditas. As coisas já não funcionam apenas segundo uma lógica mecanicista que busca simplesmente um efeito e um desempenho, mas seguem uma exploração do mundo onde os elementos que o constituem são mais coerentes. Deem sentido ao dia a dia dos pesquisadores e vejam como eles se comunicam melhor e são mais felizes!

Sem falar que, hoje em dia, vemos com limpidez que a ciência está se desenvolvendo na velocidade da luz, possibilitando o surgimento de novas tecnologias que, por sua vez, dão impulso à pesquisa científica e, en passant, transformam, profunda e intensamente, o mundo e os seres humanos. Essa interdependência torna ainda mais indispensável a injeção de coerência em uma abordagem que, embora pareça mais complexa, na verdade é bem mais simples do que pensamos.

Além de ser um trabalho fácil, com um pouco de dedicação ele tem tudo para saciar a mais voraz das gulas.

(Tradução: Maria Marques)

© 2015 - Brazil Beauty News - www.brazilbeautynews.com

Sobre Marie Alice Dibon

Desde 2000, Marie Alice Dibon dirige a Alice Communications Inc., empresa de consultoria em desenvolvimento, comunicação, inovação e regulamentação, atendendo companhias dos setores de biotecnologias, farmácia e beleza. Antes de fundar sua empresa, Marie Alice passou 15 anos na França e nos Estados Unidos, trabalhando para as indústrias de beleza, produtos farmacêuticos e equipamentos médicos. Sua experiência abrange desde o desenvolvimento de produtos até a comercialização, incluindo trâmites regulamentares, business development e fabricação. Marie Alice é titular de um Master em Farmácia Industrial pelo Institut de Pharmacie Industrielle de Lyon (França) e de um doutorado em Farmácia pelo Institut des Sciences Pharmaceutiques et Biologiques de Lyon.

Site: www.alicecommunications.com

Foco
Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

Recorde de público marca edição 2017 da FCE Cosmetique e FCE Pharma

As feiras FCE Cosmetique e FCE Pharma, que aconteceram entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, receberam 15.400 visitantes e registrou um crescimento de 9%, em comparação com o ano anterior. Na cerimônia de abertura, Geraldo Alckmin, o Governador do Estado de São Paulo, destacou os esforços do Governo para o desenvolvimento das (...)

+ informações
Palavra de especialista
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Laurence Bacilieri
O setor de Retail nos Estados Unidos: apocalipse ou evolução?

Nos Estados Unidos, o comércio varejista vem registrando uma queda contínua do faturamento. O setor está passando por profundas mudanças, com a falência de 3.500 lojas, sem falar nas dificuldades que têm enfrentado as redes Macys e Sears & K-Mart. A exemplo do setor bancário, os grandes protagonistas do varejo americano estão (...)

+ informações

Seções